5 de agosto de 1954

5 de agosto de 1954

Neste dia o embaixador português em Londres, Pedro Teotónio Pereira, comunicou ao governo português que a Grã-Bretanha não pretendia intervir militarmente no conflito entre Portugal e a União Indiana, que grassava desde 1949 e viria a culminar com a independência de Goa, Damão e Diu na década de 60 do século XX.

Personalidade nascida neste dia

No dia 5 de agosto de 1824 nasceu em Massarelos o futuro militar e administrador colonial português, Vasco Guedes de Carvalho e Meneses.

Era fidalgo da Casa Real e foi Governador de Moçambique entre 1854 e 1857, Governador de Cabo Verde em 1878, Governador de Angola entre 1878 e 1880 e Governador da Índia entre 1889 e 1891.

Foi agraciado com as comendas da Ordem de Cristo e da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.

Morreu em Amarante no primeiro dia do ano de 1905.

Vasco_Guedes_de_Carvalho_e_Meneses

Anúncios

23 de outubro de 1535

23 de outubro de 1535

Neste dia foi assinado em Diu um contrato de paz entre o rei de Guzerate e D. Nuno da Cunha (9.º governador da Índia de 1529 a 1538).

nuno_cunha

A cidade de Baçaim, hoje Vasai-Virar, situada a cerca de 50 quilómetros a norte de Bombaim era uma das mais importantes praças-fortes portuguesas no antigo Indostão, pela pesca, pelo comércio de cavalos, pelo sal, pelas madeiras, pelas pedras de construção como o basalto e o granito e pela construção naval.

Esta cidade integrava o reino de Cambaia numa região também próspera pela produção de arroz, algodão e cana-de-açúcar.

De 1528 a 1535 ocorreram diversos assaltos a esta cidade pelas forças portuguesas, mas em 1535 o Sultão de Guzerate assaltou a cidade, mas acabou por ser assinado um contrato de paz e em maio de 1536 foi iniciada a construção de uma fortificação por ordem de D. Nuno da Cunha e em torno da qual a cidade portuguesa floresceu.

Fortaleza de Baçaim, Índia Map_of_Bassein_from_Portuguese_Atlas_(1630)

Personalidade nascida neste dia

No dia 23 de outubro de 1907 nasceu em Lisboa Hermínia Silva Leite Guerreiro, que viria a ser uma fadista de topo na cena artística portuguesa.

Despontou para a carreira artística muito cedo, designadamente para o fado, tornando-se presença notada nos retiros de Lisboa e apreciada pela originalidade com que interpretava os fados que cantava.

Em 1929 faz a sua estreia numa revista do Parque Mayer, sendo a primeira vez que o fado vendia bilhetes na revista à portuguesa. O seu estilo de cantar o fado deu origem ao que foi chamado o “fado musicado”.

A sua fama era tal que chegou ao cinema com interpretações no filme “Aldeia da Roupa Branca” de 1938 e “Costa do Castelo” de 1943.

É opinião de alguns especialistas do fado que Hermínia Silva é o segundo vértice do fado, depois de Alfredo Marceneiro e antes de Amália, o terceiro vértice.

O Estado Português agraciou-a diversas vezes com prémios e condecorações, reconhecendo-lhe a sua elevada qualidade artística.

Ficou famoso o Solar da Hermínia no Bairro Alto, casa de fados que dirigiu durante 25 anos desde a sua inauguração em 1958 até ao seu encerramento em 1982.

Cantou quase até morrer no dia 13 de junho de 1993, estando enterrada no Cemitério dos Prazeres.

herminia_silva