A importância dos genes

Nos meus tempos de estudante do liceu quando falávamos do que gostávamos em termos de disciplinas fazia-se a pergunta clássica Gostas de ciências ou de letras? como se estas áreas fossem incompatíveis e sem qualquer relação entre elas.

Aliás, muitos iam para letras para fugir da matemática e ninguém compreendia porque tinha que estudar filosofia na área de ciências.

A verdade é que não há compartimentos estanques, ou seja, não é possível viver com apenas uma destas áreas. De facto, o que acontece é que os níveis de profundidade com que lidamos com os temas variam, mas acabamos sempre a recordar-nos que o professor que dizia que a vida nos ia demonstrar a importância de tudo tinha razão.

No entanto, como é que esta introdução liga com o título deste post? A história começa com uma entrevista a uma autora alemã de um livro que foi lançado em Portugal e que me despertou a atenção. A autora é Jennifer Teege e o livro tem o título Amon – o meu avô podia ter-me matado.

Li a entrevista, comprei o livro e li-o. Não vos vou contar a história do livro até porque a entrevista é bastante esclarecedora, mas vale a pena ler o livro e pensar na importância dos genes e na influência que eles poderão ter em nós ou não.

Foram os genes e a genética que me inspiraram para estudar Bioquímica (ciências), mas a história e a genealogia (letras), que também me interessam, têm os genes como um dos seus protagonistas.

Ou seja, ciências e letras unidas pelos genes.

O livro que acima refiro é autobiográfico e a autora debate-se com a existência de uma culpa ou vergonha por “carregar” na sua herança genética os genes de uma personagem hedionda e responsável por ter cometido crimes inqualificáveis.

O outro lado desta moeda pode ser visto, por exemplo, nas palavras que o 12.º Marquês de Fronteira, D. Fernando Mascarenhas, dirigiu ao seu sobrinho e sucessor no livro Sermão ao meu Sucessor – Notas para uma Ética da Sobrevivência.

Neste livro, o autor utiliza a herança genética como uma das forças para se prosseguir um bom trabalho e desempenhar um papel relevante na sociedade. Esta ideia fica patente em “O verdadeiro aristocrata tem consciência de que tem uma história atrás de si e é essa própria consciência da história que tem atrás de si que o faz ter uma consciência igualmente clara de que também tem uma história à sua frente.”

Perante estes dois cenários que importância devemos dar à nossa herança genética? As sábias palavras de D. Fernando Mascarenhas ao seu sucessor também diziam “Sê primeiro um homem e, depois, só depois, mas logo depois, um aristocrata. Pensa primeiro pela tua cabeça. Se tiveres dúvidas pensa no que teriam pensado os teus avós. Mas mesmo quando sentires que o deves fazer, não esqueças nunca que o momento em que estás a pensar é outro momento, é um momento diferente daquele em que o teu pai, o teu bisavô ou a tua décima avó, pensaram.”

De facto, não teremos todos nós na ascendência familiar personagens de boa e má memória? Certamente que sim, pelo que em primeiro lugar somos indivíduos únicos, com caraterísticas únicas, mas que não devem ignorar a sua herança genética e histórica.

Devemos orgulharmo-nos dos excelentes exemplos que nos antecederam para saber honrá-los e dignificá-los e devemos “corrigir” os maus exemplos, com a consciência que estes nos lembram o que não se deve fazer ou ser.

Com efeito, os genes sendo importantes, são uma parte do indivíduo, não fazem o indivíduo.

Anúncios