16 de novembro de 1989

16 de novembro de 1989

Neste dia Portugal assume pela primeira vez a presidência do Conselho da Europa, organização internacional fundada em 5 de maio de 1949. É a instituição europeia mais antiga em funcionamento, sendo os seus propósitos a defesa dos direitos humanos, o desenvolvimento democrático e a estabilidade político-social na Europa.

Pertencem a esta instituição a Convenção Europeia dos Direitos Humanos e o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Atualmente são 47 os Estados membros, incluindo os 28 da União Europeia, englobando cerca de 800 milhões de pessoas.

A adesão de Portugal ao Conselho da Europa aconteceu no dia 22 de setembro de 1976.

Personalidade nascida neste dia

No dia 16 de novembro de 1922 nasceu na Azinhaga, concelho da Golegã, aquele que viria a ser prémio Nobel da Literatura, José de Sousa Saramago.

Foi escritor, argumentista, jornalista, dramaturgo, contista, romancista, teatrólogo, ensaísta e poeta.

Além do prémio Nobel da Literatura atríbuido em 1998, recebeu em 1995 o Prémio Camões. Também foi condecorado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada em 24 de agosto de 1985, tendo a 3 de dezembro de 1998 sido elevado a Grande-Colar da mesma ordem, uma honra que está reservada apenas a chefes de Estado.

A sua vasta obra, traduzida em muitas línguas, tem romances como O Memorial do Convento ou O Evangelho segundo Jesus Cristo.

Foi um grande opositor da igreja católica e comunista assumido com atividade política.

Morreu com 87 anos no dia 18 de junho de 2010.

Saramago,_José_(1922)-2

8 de outubro de 1998

8 de outubro de 1998

Neste dia a Academia Sueca anunciou a atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago, que assim se torna o segundo português a receber esta distinção, depois de Egas Moniz.

jose_saramago

Na sua nota à imprensa, a Academia Sueca refere que “José Saramago que, com parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia torna constantemente compreensível uma realidade fugidia”.

As obras destacadas são, por exemplo, “Manual de Pintura e Caligrafia: um romance”, que ajuda-nos a entender o que viria a acontecer mais tarde; “Memorial do Convento”, de 1982, como o romance que o torna célebre; “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, como um dos pontos altos da sua produção literária e “O Evangelho segundo Jesus Cristo”, romance sobre a vida de Jesus que encerra na sua franqueza reflexões merecedoras de atenção sobre grandes questões.

A Academia Sueca destaca também as suas última obras literárias,”Ensaio sobre a Cegueira” e “Todos os Nomes”. Considera esta academia que a sua obra literária apresenta-se como uma série de projectos onde um, mais ou menos, desaprova o outro mas onde todos representam novas tentativas de se aproximarem da realidade fugidia.

Personalidade nascida neste dia

No dia 8 de outubro de 1855 nasceu em Lisboa Domingos Pinto Coelho, oriundo de uma família de ilustres juristas, a começar pelo seu pai, Dr. Carlos Zeferino Pinto Coelho que foi dirigente do Partido Legitimista.

Durante 50 anos foi advogado da Companhia das Águas de Lisboa, tendo chegado a Presidente da Assembleia Geral. Seguiu os passos do seu pai enquanto dirigente do Partido Legitimista, tendo sido preso no dia 9 de outubro de 1910. Em 1919 participa na revolta da Monarquia do Norte e, na sequência da derrota, foi preso e levado para o Porto.

Foi o 4.º Bastonário da Ordem dos Advogados, tendo resignado com 81 anos, por motivos de saúde.

Morreu em Lisboa no dia 14 de julho de 1944.

domingos_pinto_coelho