22 de julho de 1916

22 de julho de 1916

Neste dia foi constituído o Corpo Expedicionário Português em Tancos com cerca de 30000 homens.

Foi o General Norton de Matos, ministro da Guerra entre 1915 e 1917, o responsável por este processo em colaboração com o General Tamagnini.

A instrução destes homens foi feita em Tancos.

Apesar de terem iniciado a sua participação na I Grande Guerra com elevados níveis de desempenho, acabaram por sofrer uma derrota contra os alemães na tragicamente famosa Batalha de La Lys.

Personalidade nascida neste dia

No dia 22 de julho de 1632 nasceu Luís de Meneses, 3.º conde da Ericeira.

Foi um militar, político, vedor da Fazenda e historiador.

Era um dos homens mais cultos da sua época e possuía uma biblioteca excelente no seu palácio. Falava francês, espanhol e italiano e foi o autor da obra História de Portugal Restaurado.

Suicidou-se no dia 26 de maio de 1690 atirando-se de uma janela do seu palácio, atitude causada por uma depressão.

D._Luís_de_Meneses,_3.º_Conde_da_Ericeira_(1632-1690),_1673-1675_-_Feliciano_de_Almeida_(Galleria_degli_Uffizi,_Florence).png

Anúncios

9 de abril de 1918

9 de abril de 1918

Neste dia aconteceu o maior desastre militar português desde Alcácer-Quibir em 1578.

Com efeito, na batalha de La Lys os exércitos alemães infligiram uma derrota esmagadora às forças portuguesas constítuidas por 20 000 homens, dos quais pouco mais de 15 000 estavam nas primeiras linhas.

As forças portuguesas em apenas quatro horas registaram milhares de baixas, entre 1341 mortos, 4626 feridos, 1932 desaparecidos e 7440 prisioneiros. Refira-se que alguns autores consideram estes números um pouco inflacionados.

Personalidade nascida neste dia

No dia 9 de abril de 1759 nasceu Carlos da Cunha e Meneses, que foi o sexto patriarca de Lisboa com o nome de D. Carlos I.

Além de Cardeal-Patriarca, foi conselheiro de Estado e um dos membros da regência nomeada por D. João VI durante a sua permanência no Brasil.

Era um clérigo conservador, tendo-se recusado a jurar a Constituição de 1822. Além disso, apoiou o infante D. Miguel nas suas intentonas fracassadas.

Morreu no dia 14 de dezembro de 1825.

Desde meados do século XX que o seu corpo está sepultado no Panteão dos Patriarcas de Lisboa.

D._Carlos_da_Cunha_e_Menezes_(1759-1825).png