17 de maio de 1641

17 de maio de 1641

Neste dia celebraram-se as tréguas entre Portugal e os Estados Gerais das Províncias Unidas, atualmente Holanda.

Estas tréguas celebraram-se depois de um período de guerra entre a União Ibérica resultante da dinastia filipina e a república neerlandesa.

Personalidade nascida neste dia

No dia 17 de maio de 1789 nasceu António Vieira de Magalhães, 1.º visconde de Alpendurada.

Foi presidente da câmara do Porto por três vezes entre 1842 e 1846, 1856 e 1858 e 1847 e 1849.

Além de coronel graduado de cavalaria, era oficial da Ordem de Aviz e Comendador das ordens de Cristo, São Maurício e Lázaro.

Morreu no dia 20 de abril de 1859.

antonio_vieira_magalhaes.jpg

29 de novembro de 1387

29 de novembro de 1387

Neste dia foi assinada uma trégua de três anos entre Portugal e Castela depois de diversas batalhas subsequentes à Batalha de Aljubarrota.

A assinatura foi feita em Monção entre D. João I de Portugal e D. João I de Castela e permitiu a Portugal reaver as praças de Olivença, Mértola, Castelo Mendo e Castelo Melhor, tendo Portugal cedido Salvaterra e Tui.

Personalidade nascida neste dia

No dia 29 de novembro de 1874 nasceu aquele que viria ser o primeiro Prémio Nobel português, António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz.

Provinha de uma família aristocrata rural, os viscondes de Baçar.

O seu tio paterno e padrinho, padre Caetano de Pina Resende Abreu e Sá Freire, insistiu para que fosse adicionado Egas Moniz ao seu apelido devido à sua descendência direta do aio de D. Afonso Henriques, Egas Moniz.

150px-Egas_Moniz_na_Estacao_S._Bento

A sua atividade médica já foi descrita sucintamente no post relativo à atribuição do prémio Nobel em 27 de outubro de 1949.

O Professor Egas Moniz também se distinguiu nas áreas política e literária, tendo sido fundador do Partido Republicano Centrista.

Foi embaixador de Portugal em Madrid em 1917 e em 1918 foi Ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em termos literários destacam-se as obras “A nossa casa” e “Confidências de um investigador científico”. Realce ainda para um notável ensaio de crítica literária sobre a obra de Júlio Dinis, publicado em 1924, no qual demonstrou que este escritor se tinha inspirado em personagens reais.

Morreu em Lisboa no dia 13 de dezembro de 1955.

200px-Moniz