14 de agosto de 1385

14 de agosto de 1385

Neste dia aconteceu uma das batalhas mais importantes da história de Portugal, a Batalha de Aljubarrota.

As forças portuguesas, comandadas por D. João I e Nuno Álvares Pereira e com cerca de 6500 homens, derrotaram as forças castelhanas com cerca de 31 000 homens e que eram comandadas por D. João I de Castela e pelo meio-irmão de Nuno Álvares Pereira, Pedro Álvares Pereira.

Esta vitória determinou o fim da crise de 1383-1385, o reforço da aliança Luso-Britânica e a confirmação do Mestre de Avis, D. João I, como rei de Portugal.

Deste modo, iniciou-se na história de Portugal a Dinastia de Avis.

Batalha_de_Aljubarrota_02.jpg

Personalidade nascida neste dia

No dia 14 de agosto de 1888 nasceu Rosa Ramalho, que se veio a tornar uma grande ceramista portuguesa.

Apesar de ter aprendido a trabalhar o barro muito jovem, durante 50 anos dedicou-se à família e só depois de ter enviuvado com 68 anos retomou o trabalho de ceramista que lhe deu a fama merecida.

Morreu no dia 24 de setembro de 1977, estando o seu trabalho a ser continuado pela neta Júlia Ramalho.

O reconhecimento das suas qualidades artísticas foi consumado com a atribuição póstuma pela presidência da república em 9 de abril de 1981 do grau de Dama da Ordem de Sant’Iago da Espada.

rosa_ramalho

 

29 de novembro de 1387

29 de novembro de 1387

Neste dia foi assinada uma trégua de três anos entre Portugal e Castela depois de diversas batalhas subsequentes à Batalha de Aljubarrota.

A assinatura foi feita em Monção entre D. João I de Portugal e D. João I de Castela e permitiu a Portugal reaver as praças de Olivença, Mértola, Castelo Mendo e Castelo Melhor, tendo Portugal cedido Salvaterra e Tui.

Personalidade nascida neste dia

No dia 29 de novembro de 1874 nasceu aquele que viria ser o primeiro Prémio Nobel português, António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz.

Provinha de uma família aristocrata rural, os viscondes de Baçar.

O seu tio paterno e padrinho, padre Caetano de Pina Resende Abreu e Sá Freire, insistiu para que fosse adicionado Egas Moniz ao seu apelido devido à sua descendência direta do aio de D. Afonso Henriques, Egas Moniz.

150px-Egas_Moniz_na_Estacao_S._Bento

A sua atividade médica já foi descrita sucintamente no post relativo à atribuição do prémio Nobel em 27 de outubro de 1949.

O Professor Egas Moniz também se distinguiu nas áreas política e literária, tendo sido fundador do Partido Republicano Centrista.

Foi embaixador de Portugal em Madrid em 1917 e em 1918 foi Ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em termos literários destacam-se as obras “A nossa casa” e “Confidências de um investigador científico”. Realce ainda para um notável ensaio de crítica literária sobre a obra de Júlio Dinis, publicado em 1924, no qual demonstrou que este escritor se tinha inspirado em personagens reais.

Morreu em Lisboa no dia 13 de dezembro de 1955.

200px-Moniz

31 de outubro de 1411

31 de outubro de 1411

Neste dia foi assinado o Tratado de Ayllón entre os reinos de Portugal e Castela na sequência da Batalha de Aljubarrota ocorrida a 14 de agosto de 1385. A sua ratificação só veio a ocorrer no dia 30 de abril de 1423.

A assinatura deste tratado foi a confirmação da paz definitiva entre os dois reinos.

Personalidade nascida neste dia

No dia 31 de outubro de 1391 nasceu em Viseu aquele que viria a ser o décimo-primeiro rei de Portugal, D. Duarte I, o Eloquente ou Rei Filósofo.

Era filho de D. João I e de D. Filipa de Lencastre, tendo recebido o seu nome em homenagem ao avô da sua mãe, o rei Eduardo III de Inglaterra.

Desde muito cedo foi preparado para reinar, enquanto primogénito da ínclita geração, tendo sucedido ao seu pai em 1433. Teve um reinado muito curto, com cerca de cinco anos, entre 14 de agosto de 1433 e 9 de setembro de 1438.

Neste período deu continuidade à política de exploração marítima e conquistas em África, tendo o seu irmão, Infante D. Henrique, estabelecido-se em Sagres e dirigido as primeiras navegações, entre as quais a de Gil Eanes que dobrou o Cabo Bojador.

Foi também durante o seu reinado que, numa campanha mal sucedida em Tânger, o seu irmão, Infante D. Fernando, o Infante Santo, foi capturado e acabou por morrer em cativeiro.

D. Duarte I era um homem de cultura, tendo escrito várias obras como o Leal Conselheiro ou o Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda Sela.

Morreu em Tomar no dia 9 de setembro de 1438, vítima da peste, quando preparava uma revisão da legislação portuguesa.

Duarte_I

15 de outubro de 1385

15 de outubro de 1385

Neste dia deu-se a batalha de Valverde. Com efeito, depois da batalha de Aljubarrota, Nuno Álvares Pereira decidiu, sem conhecimento do rei, entrar em território castelhano para enfrentar um exército inimigo. As forças espanholas cercaram as forças portuguesas em Valverde de Mérida junto ao rio Guadiana.

Quando as forças portuguesas, estimadas em 11 000 homens, atravessaram o rio foram atacadas pelo exército espanhol (cerca de 39 000 homens).

Segundo Fernão Lopes, D. Nuno Álvares Pereira ajoelhou-se a orar quando as tropas portuguesas estavam a sofrer grandes baixas e esta sua demonstração de fé contagiou os seus homens que lutaram até à vitória.

As forças portuguesas eram comandadas na vanguarda pelo Condestável, D. Nuno Álvares Pereira, na retaguarda por Álvaro Gonçalves Camelo e as alas por Martim Afonso de Melo e Gonçalo Anes de Castelo de Vide.

Personalidade nascida neste dia

No dia 15 de outubro de 1922 nasceu em Vila Meã a escritora Agustina Bessa-Luís de pai nortenho e mãe espanhola.

Começou a escrever aos 16 anos e, além dos muitos livros que publicou, ainda foi diretora do diário “O Primeiro de Janeiro”, do Teatro Nacional D. Maria II e foi membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social.

Foi condecorada com a Ordem de Sant’Iago da Espada em 1980 e com a medalha de honra da cidade do Porto em 1988. Foi também distinguida pelo governo francês com o grau de Officier de l’Ordre des Arts et des Lettres. É membro da Academie Européenne des Sciences, des Arts et des Lettres (Paris), da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa.

Aos 81 anos recebeu o mais importante prémio literário da língua portuguesa – Prémio Camões.

agustina_bessa_luis