22 de julho de 1916

22 de julho de 1916

Neste dia foi constituído o Corpo Expedicionário Português em Tancos com cerca de 30000 homens.

Foi o General Norton de Matos, ministro da Guerra entre 1915 e 1917, o responsável por este processo em colaboração com o General Tamagnini.

A instrução destes homens foi feita em Tancos.

Apesar de terem iniciado a sua participação na I Grande Guerra com elevados níveis de desempenho, acabaram por sofrer uma derrota contra os alemães na tragicamente famosa Batalha de La Lys.

Personalidade nascida neste dia

No dia 22 de julho de 1632 nasceu Luís de Meneses, 3.º conde da Ericeira.

Foi um militar, político, vedor da Fazenda e historiador.

Era um dos homens mais cultos da sua época e possuía uma biblioteca excelente no seu palácio. Falava francês, espanhol e italiano e foi o autor da obra História de Portugal Restaurado.

Suicidou-se no dia 26 de maio de 1690 atirando-se de uma janela do seu palácio, atitude causada por uma depressão.

D._Luís_de_Meneses,_3.º_Conde_da_Ericeira_(1632-1690),_1673-1675_-_Feliciano_de_Almeida_(Galleria_degli_Uffizi,_Florence).png

8 de julho de 1497

8 de julho de 1497

Neste dia partiu de Lisboa a armada comandada por Vasco da Gama para tentar chegar à Índia dobrando o Cabo da Boa Esperança ou Cabo das Tormentas.

Caminho_maritimo_para_a_India

Esta viagem acabou por ser bem sucedida com a descoberta desta rota de comércio entre a Índia e a Europa e que foi muito lucrativa para Portugal.

Refira-se que inicialmente o comando desta expedição tinha sido atribuído pelo rei D. João II a Estevão da Gama, pai de Vasco da Gama. Contudo, com a morte do rei e de Estevão da Gama o rei D. Manuel I designou Vasco da Gama para a liderança desta importante tarefa.

Personalidade nascida neste dia

No dia 8 de julho de 1925 nasceu em Tremês aquele que é um dos maiores historiadores portugueses, Joaquim Veríssimo Serrão.

A sua grande obra é a História de Portugal em XVIII volumes.

É professor jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, comendador da Ordem da Instrução Pública a 9 de julho de 1971 e foi reitor da Universidade de Lisboa entre 1973 e 1974. Foi também presidente da Academia de História entre 1975 e 2006.

Recebeu o Prémio das Astúrias em 1995 e em 9 de junho de 2006 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.

verissimo_serrao_santarem_2008-020-web

26 de maio de 1644

26 de maio de 1644

Neste dia os exércitos português e espanhol defrontaram-se na Batalha do Montijo na província de Badajoz.

O exército português com 6000 homens, 1100 cavaleiros e 7 canhões era comandado por Matias de Albuquerque e o exército espanhol, comandado pelo Marquês de Terrecusa, era constítuido por 6000-7000 homens, 2100-2500 cavaleiros e 4-6 canhões.

Batalha_do_Montijo

A vitória portuguesa causou grande espanto e foi motivo de grande júbilo em Lisboa.

Personalidade nascida neste dia

No dia 26 de maio de 1920 nasceu Ruben Alfredo Andresen Leitão, escritor, romancista, ensaísta, historiador e crítico literário, mais conhecido por Ruben A.

Exerceu diversas ocupações profissionais como professor no King’s College em Londres de 1947 a 1951 e funcionário da embaixada do Brasil em Lisboa entre 1954 e 1972.

Foi ainda administrador da Imprensa Nacional-Casa da Moeda e diretor-geral dos Assuntos Culturais do Ministério da Educação e Cultura.

A sua maior obra foi A Torre de Barbela publicada em 1965.

Morreu no dia 23 de setembro de 1975.

ruben_a

 

 

12 de maio de 1499

12 de maio de 1499

Neste dia foram confirmados e ajustados os antigos tratados de paz entre Portugal e Inglaterra, desta vez pelos reis D. Manuel I de Portugal e Henrique VII de Inglaterra.

Personalidade nascida neste dia

A cidade-berço viu nascer no dia 12 de maio de 1910 o médico, historiador, escritor e político, Mário António Caldas de Melo Saraiva.

Foi um investigador notável na área dos estudos sebastiânicos e pessoanos. Politicamente iniciou a doutrina conhecida por Neo-Integralismo Lusitano, caraterizada por se opor à implantação da república, ao estado novo e às monarquias constitucional e absolutistas.

Esta doutrina política advoga o tradicionalismo, a descentralização do poder e o municipalismo.

Recebeu de D. Duarte Pio de Bragança em 1978 a missão de constituir e secretariar o seu Conselho Privado, tarefa a que se dedicou até à sua morte.

Produziu cerca de duas dezenas de obras, entre as quais Os Pilares da Democracia.

Morreu no dia 28 de maio de 1998.

mario_saraiva

30 de abril de 1423

30 de abril de 1423

Neste dia foi ratificado o Tratado de Ayllón pelo rei de Castela, D. João II, e pelo rei de Portugal, D. João I.

Personalidade nascida neste dia

No dia 30 de abril de 1845 nasceu o político e cientista social português, Joaquim Pedro de Oliveira Martins.

As suas obras marcaram diversas gerações de escritores portugueses como António Sérgio, Eduardo Lourenço ou António Sardinha.

O romance Febo Moniz é a sua primeira obra de uma carreira que se estende até à sua morte em 24 de agosto de 1894, com apenas 49 anos.

O ponto alto da sua carreira é a publicação de Os Filhos de D. João I.

Na política destacou-se como deputado, como ministro da Fazenda e Vice-Presidente da Junta do Crédito Público.

Foi sempre uma personagem polémica, tendo perfilhado ideologias contraditórias como anarquista, republicano, monárquico, liberal, antiliberal e iberista.

180px-Oliveira_Martins

 

29 de abril de 2010

29 de abril de 2010

Neste dia foi lançado primeiro número da revista Glosas no Conservatório Nacional de Lisboa.

É a única revista do mundo dedicada exclusivamente à música de compositores lusófonos e dirige-se a um público muito abrangente desde o melómano ao músico profissional.

GLOSAS_1[1]

Personalidade nascida neste dia

No dia 29 de abril de 1884 nasceu o médico, político, escritor e historiador português, Jaime Zuzarte Cortesão.

Foi deputado da nação e, defendendo a paryicipação de Portugal na I Guerra Mundial, ofereceu-se como voluntário para o Corpo Expedicionário Português, no posto de capitão-médico.

As suas memórias desta experiência foram publicadas em Memórias da Grande Guerra (1916-1919).

Presidiu à Junta Revolucionária estabelecida no Porto com o intuito de derrubar a ditadura militar portuguesa, o que lhe valeu o exílio, primeiro em França e depois no Brasil.

Foi neste país que se dedicou ao ensino universitário e ao estudo dos Descobrimentos Portugueses.

Regressou a Portugal em 1957 e fez campanha por Humberto Delgado, tendo sido preso por quatro vezes, conjuntamente com António Sérgio, Vieira de Almeida e Azevedo Gomes.

Morreu em Lisboa no dia 14 de agosto de 1960 e jaz sepultado no cemitério dos Prazeres.

A título póstumo foi feito Grande-Oficial da Ordem da Liberdade (30 de junho de 1980) e foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (3 de julho de 1987).

200px-Jaime_Zuzarte_Cortesao.gif

 

 

 

2 de fevereiro de 1559

2 de fevereiro de 1559

Neste dia D. Constantino de Bragança, 7.º Vice-Rei da Índia, conquistou Damão ao rei de Cambaia e tomou também a fortaleza de Balasar, atualmente no estado indiano de Gujarate.

200px-Constantino_de_Bragança

Personalidade nascida neste dia 

O historiador e humanista português Damião de Góis nasceu em Alenquer no dia 2 de fevereiro de 1502.

Era caraterizado por ter uma mente enciclopédica e foi um espírito crítico da sua época.

Foi educado na corte de D. Manuel I e entre 1528 e 1531 efetuou diversas missões diplomáticas e comerciais na Europa.

As suas obras humanistas valeram-lhe perseguições pelo clero e dois processos no Tribunal do Santo Ofício.

Em 1548 foi nomeado guarda-mor dos Arquivos Reais da Torre do Tombo, tendo sido escolhido pelo cardeal D. Henrique para escrever a crónica real de D. Manuel I, obra que terminou em 1567.

Contudo, o rigor desta obra valeu-lhe a inimizade de alguns nobres e voltou a cair nas garras do Santo Ofício. Foi preso, abandonado pela família e transferido para o Mosteiro da Batalha.

Foi assassinado no dia 30 de janeiro de 1574.

225px-Damian_de_gois

 

22 de janeiro de 1462

22 de janeiro de 1462

O escudeiro do infante D. Fernando e navegador português, Diogo Gomes, descobriu nesta data, dia de São Vicente, a ilha do arquipélago de Cabo Verde a que atribuiu o mesmo nome do santo.

Esta ilha, inicialmente outorgada aos duques de Viseu, nunca foi ocupada, tendo, pela sua falta de água, sido utilizada apenas como campo de pastagem de gado dos proporietário da ilha vizinha de Santo Antão.

A sua ocupação só aconteceu em 1838 quando foi colocado um depósito de carvão para abastecimento dos navios em rota no Atlântico, originado a fundação da cidade do Mindelo.

Atualmente é a terceira ilha mais populosa de Cabo Verde, sendo famosa pelo Festival Internacional de Música da Baía das Gatas e por ser a terra natal de Cesária Évora.

Personalidade nascida neste dia

No dia 22 de janeiro de 1933 nasceu o historiador e professor universitário José João da Conceição Gonçalves Mattoso.

É doutorado em História Medieval pela Universidade Católica de Lovaina com a tese Le Monachisme ibérique et Cluny: les monastères du diocèse de Porto de l’an mille à 1200.

Foi monge da Ordem de São Bento durante 20 anos na Abadia de Singeverga com o nome de Frei José de Santa Escolástica Mattoso.

É autor de extensa bibliografia, destacando-se os seus oito volumes da História de Portugal.

Recebeu o Prémio Pessoa em 1987, o Prémio Internacional de Genealogia Bohüs Szögyeny em 1991, o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada a 10 de Junho de 1992 e o Troféu Latino em 2007.

jose_mattoso

21 de janeiro de 1481

21 de janeiro de 1481

Neste dia foi assinado em Toledo um tratado entre D. Afonso V, rei de Portugal, e os reis católicos de Espanha sobre as ilhas Canárias.

Este tratado determinava que estas ilhas ficariam sob pertença castelhana e Portugal garantia a soberania da Guiné e de todas as ilhas achadas ou por achar a sul das Canárias.

Personalidade nascida neste dia

No dia 21 de janeiro de 1796 nasceu o historiógrafo, paleógrafo, músico, organeiro e político açoriano Francisco Ferreira de Drummond.

Nascido na Vila de São Sebastião na ilha Terceira, a sua obra ocupa um lugar de destaque na historiografia açoreana.

Uma das suas grandes obras é o manuscrito dos Anais da Ilha Terceira com 1420 páginas e 510 documentos, que cobre o período desde a descoberta e povoamento da ilha até 1832.

Morreu na Vila de São Sebastião no dia 11 de setembro de 1858.

Autograph_of_Francisco_Ferreira_Drummond