21 de agosto de 1808

21 de agosto de 1808

Neste dia foi travada a Batalha do Vimeiro no decurso da primeira invasão francesa.

Defrontaram-se as forças francesas, comandadas pelo famoso General Junot, e as forças anglo-lusas comandadas pelo Tenente-general Arthur Wellesley que saíram vitoriosas.

Esta vitória ditou o fim da primeira invasão francesa.

Personalidade nascida neste dia

No dia 21 de agosto de 1643 nasceu em Lisboa aquele que viria a ser o rei D. Afonso VI, que viria a receber o cognome de “O Vitorioso”.

Reinou entre 6 de novembro de 1656 e 12 de setembro de 1683, tendo sido aclamado a 15 de novembro de 1657.

Não estava destinado a reinar, mas as mortes do seu irmão, Teodósio de Bragança, e da sua irmã Joana determinaram que assumisse o trono de Portugal apesar da sua fraca preparação e dos problemas de saúde que teve em criança.

O seu reinado ficou marcado pelas diversas vitórias sobre Espanha na Guerra da Restauração.

Estas vitórias e outros pontos importantes do seu reinado não foram suficientes para evitar a sua destituição pelo irmão, D. Pedro II, que inclusivamente viria a casar com a sua mulher, a francesa Maria Francisca Isabel de Sabóia.

Morreu em Sinta no dia 12 de setembro de 1683.

17 de agosto de 1808

17 de agosto de 1808

Neste dia travou-se o combate da Roliça entre as forças anglo-lusas e as forças francesas.

Batalha_da_Roliça

Este combate deu-se durante a primeira invasão francesa de Portugal e foi acima de tudo uma confirmação para os britânicos que era possível vencer os franceses apesar da hegemonia que Napoleão e as suas forças espalhava pela Europa.

Personalidade nascida neste dia

No dia 17 de agosto de 1906 nasceu em Lisboa o último presidente do Conselho do Estado Novo, Marcello José das Neves Alves Caetano.

Além de político foi um ilustre jurisconsulto e professor de direito, tendo conseguido a cátedra de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa em 1939.

Academicamente é considerado o fundador em Portugal do Direito Administrativo moderno.

Foi um apoiante dos ideais monárquicos católicos ligados ao Integralismo Lusitano, tendo rompido com esta via em 1929 e deu o seu apoio à ditadura militar e por conseguinte ao regime totalitário de António de Oliveira Salazar.

A impossibilidade de Salazar manter a condução do país determinou que o presidente da república Américo Thomaz o tenha designado em 27 de setembro de 1968 como presidente do Conselho de Ministros de Portugal, função que exerceu até 25 de abril de 1974.

A revolução dos cravos determinou o seu exílio no Brasil, tendo morrido na cidade maravilhosa no dia 26 de outubro de 1980.

A sua previsão para o futuro de Portugal ficou registada nestas palavras proferidas depois da revolução de abril:

Sem o Ultramar estamos reduzidos à indigência, ou seja, à caridade das nações ricas, pelo que é ridículo continuar a falar de independência nacional. Para uma nação que estava em vésperas de se transformar numa pequena Suíça, a revolução foi o princípio do fim. Restam-nos o Sol, o Turismo, a pobreza crónica, a emigração em massa e as divisas da emigração, mas só enquanto durarem.

As matérias-primas vamos agora adquiri-las às potências que delas se apossaram, ao preço que os lautos vendedores houverem por bem fixar. Tal é o preço por que os Portugueses terão de pagar as suas ilusões de liberdade.

imagem_marcelo_caetano_ok_0.png

16 de julho de 1808

16 de julho de 1808

Neste dia as forças militares portuguesas comandadas pelo tenente-coronel Francisco Homem de Magalhães Pizarro bloquearam a fortaleza de Almeida num cerco que durou até setembro.

Francisco_Homem_de_Magalhaes_Pizarro

Esta ação foi muito importante para o desfecho positivo da reação portuguesa à primeira invasão francesa, embora tenha ficado ofuscada pelas vitórias nas batalhas da Roliça e do Vimeiro.

Personalidade nascida neste dia

No dia 16 de julho de 1948 nasceu Manuel José Macário do Nascimento Clemente no concelho de Torres Vedras em São Pedro e Santiago.

É licenciado em Teologia e doutorado em Teologia Histórica com a tese intitulada Nas origens do apostolado contemporâneo de Portugal. A Sociedade Católica (1843-1853).

É o Cardeal-Patriarca de Lisboa, o 17.º, com o título de D. Manuel III, depois de ter sido bispo auxiliar de Lisboa e bispo do Porto.

A sua condição de cardeal foi-lhe atribuída pelo Papa Francisco no dia 14 de fevereiro de 2015 depois da morte de D. José Policarpo, Cardeal-Patriarca Emérito de Lisboa, dando cumprimento ao privilégio perpétuo concedido ao patriarcado da capital portuguesa desde 1737.

Tem diversas obras publicadas e foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo pelo presidente da república Aníbal Cavaco Silva em 2010.

Destaca-se ainda a atribuição do Prémio Pessoa no dia 11 de dezembro de 2009, sendo o primeiro membro da Igreja a receber esta distinção, e o doutoramento Honoris causa em Ciência Política, Cidadania e Relações Internacionais pela Universidade Lusófona do Porto em 18 de maio de 2012.

d_manuel_clemente