Portugal e Angola

Acabei de ler quase de um fôlego os livros “Luanda como ela era 1960-1975” e “S.O.S. Angola – os dias da ponte aérea” da Rita Garcia.São 15 anos alucinantes com muitas coisas boas e muitas coisas más, nos quais fica evidente que a diferença está sempre nas pessoas e na capacidade de fazer o que é correto. Os relatos destes dois livros mostram de forma muito clara que “o certo e o errado” são sempre dependentes do referencial que temos definido no nosso sistema cartesiano.

Contudo, é importante que estas memórias não se percam porque fazem parte da história de povos afastados por milhares de quilómetros, mas que terão sempre a uni-los uma identidade suportada pelo maior património de um povo: a língua.

Sejamos capazes de ceder à tentação fácil dos ódios individuais e dos interesses económicos para não perder o que levou séculos a cimentar apesar dos erros cometidos por ambas as partes.

Sejamos capazes de unir novamente o que a história e os homens separaram, mas que essa união seja “atada” com laços culturais e de cooperação entre iguais.

Anúncios

14 de março de 1974

14 de março de 1974

Neste dia os generais Francisco da Costa Gomes e António Spínola são demitidos dos cargos de chefe e vice-chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas por falta de confiança política do governo, na sequência da sua falta de comparência na cerimónia de apoio à política ultramarina convocado pelo presidente do conselho, Marcelo Caetano, a que acorreu a quase totalidade dos oficiais superiores dos três ramos das forças armadas.

A esta demissão também não é alheia a publicação do livro Portugal e o Futuro já referida neste blogue (ver o post de 22 de fevereiro) no qual era defendida uma solução política para a descolonização em vez de uma solução militar.

Personalidade nascida neste dia

No dia 14 de março de 1923 nasceu D. José Lobo de Almeida Melo de Castro, 11.º conde das Galveias.

Foi um engenheiro civil com grande reputação formado no Instituto Superior Técnico. Durante cerca de meio século foi responsável por dezenas de grandes obras como a estrada Cascais/Sintra, a sede do Banco do Brasil ou a sede da CIMPOR, bem como de grandes edifícios na Avenida da Liberdade, por exemplo.

Também foi um grande jogador de esgrima como se comprova pelo título de campeão nacional de espada em 1946 e pelas representações de Portugal no Campeonato do Mundo de 1947 em Lisboa e nos Jogos Olímpicos de Londres em 1948.

Morreu em Cascais no dia 2 de novembro de 1998.

jose_castro