16 de março de 1521

16 de março de 1521

Neste dia Fernão de Magalhães chegou à ilha de Homonhon nas atuais Filipinas.

A armada das três caravelas sobreviventes da travessia do Oceano Pacífico reabasteceu de água e frutas depois de navegarem sem comida desde as ilhas Marianas.

Os navegadores chamaram a este lugar arquipélago de São Lázaro porque era o dia de São Lázaro de Betânia.

Personalidade nascida neste dia

No dia 16 de março de 1825 nasceu o escritor, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor português, Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco.

O rei D. Luís I atribuiu-lhe o título nobiliárquico de Visconde de Correia Botelho.

Lutou do lado dos miguelistas por defender ideias conservadoras e tradicionais.

Foi o primeiro escritor português que viveu exclusivamente da escrita.

A sua vasta obra de muitas dezenas de publicações tem como Magnum opus o livro Amor de Perdição.

Na fase final da vida teve que lutar contra a cegueira provocada pela doença neurosífilis, a terceira fase da sífilis. O agravamento do seu estado levou-o a suicidar-se com um tiro de revólver na têmpora direita no dia 1 de junho de 1890.

Camilo_Castelo_Branco_(1882)_-_União_–_Photographia_da_Casa_Real-Porto

 

 

6 de março de 1521

6 de março de 1521

Neste dia o navegador português Fernão de Magalhães descobriu a ilha de Guam, habitada há cerca de 4000 anos pelos Chamorros.

Esta descoberta de Fernão de Magalhães ocorreu ao serviço do rei de Espanha.

Personalidade nascida neste dia

No dia 6 de março de 1719 nasceu em Lisboa o 2.º duque de Lafões, 4.º marquês de Arronches e 8.º conde de Miranda do Corvo, D. João Carlos de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva.

Foi membro da alta nobreza portuguesa e marechal general do exército português. Foi comandante na trágica Guerra das Laranjas.

Foi ainda sócio fundador da Academia Real das Ciências de Lisboa e primeiro-ministro de Portugal entre 6 de janeiro e 21 de maio de 1801.

Morreu no dia 10 de novembro de 1806.

Duke_of_Lafoes

28 de novembro de 1520

28 de novembro de 1520

Neste dia, depois de terem passado pela passagem que ficou conhecida como Estreito de Magalhães, três das cinco embarcações restantes da frota inicial de Fernão de Magalhães chegaram ao Oceano Pacífico.

Fernão de Magalhães chamou-lhe Mar Pacífico por causa do seu aspeto muito calmo. Deste modo, Fernão de Magalhães e a sua tripulação tornaram-se nos primeiros europeus a chegar à Terra do Fogo.

Personalidade nascida neste dia

No dia 28 de novembro de 1800 nasceu Filipe Folque, que veio a ser um político, militar e matemático português.

Doutorou-se em Matemáticas na Universidade de Coimbra e no dia 10 de novembro de 1834 foi admitido na Academia Real das Ciências de Lisboa.

Esteve envolvido na criação do observatório astronómico de Lisboa na Escola Politécnica e chegou a ser professor de matemática das filhas de D. Maria II.

Os serviços prestados ao reino garantiram-lhe a atribuição de um título nobiliárquico, que sempre recusou. Contudo, após muita insistência da rainha aceitou que o título de conde de Nova Goa fosse atribuído ao seu genro, D. Luiz Caetano de Castro e Almeida Pimentel de Sequeira e Abreu.

Foi deputado pelo círculo da cidade de Portalegre onde nasceu.

Morreu em Lisboa no dia 27 de dezembro de 1874.

220px-Filipe-Folque

21 de outubro de 1520

21 de outubro de 1520

Neste dia Fernão de Magalhães chega à ponta da América do Sul e atravessa um estreito que haveria de ficar conhecido por estreito de Magalhães.

mapa_estreito_magalhaesfernao_magalhaes

Em 1513, Fernão de Magalhães já era um navegador experiente e propõe a D. Manuel de Portugal provar que a Terra era redonda com a sua viagem de circum-navegação. Contudo, o rei português não ficou convencido e o navegador foi oferecer os seus serviços ao rei espanhol, que acreditou nas promessas de Fernão de Magalhães.

Assim, teve ao seu comando uma frota com cinco navios e 280 marinheiros, numa viagem com mais de 40 mil milhas marítimas. No decurso desta viagem, quase um ano depois do seu início, chega à ponta da América do Sul e atravessa o estreito que inicialmente foi chamado de “Todos os Santos” e que é citado nos Lusíadas como “…estreito que mostrou o agravado lusitano”.

Personalidade nascida neste dia

No dia 21 de outubro de 1911 nasceu em Lisboa a fadista Berta Cardoso.

É ainda hoje considerada por muitos a fadista de referência da chamada “época de ouro” do fado, embora nunca tenha conseguido o reconhecimento público que lhe era provavelmente devido.

Gravou o seu primeiro disco em Espanha e em 1930 a publicação “Guitarra de Portugal” considerou-a em 30 de outubro “um nome consagrado” e com “uma vocação que se revelou espontânea e claramente desde a sua estreia”.

Ficou conhecida como a “voz de oiro do fado” e nas décadas de 30, 40 e 50 do século XX divide as suas atuações entre as casas de fado e os palcos das revistas, confinando-se a partir da década de 60 quase exclusivamente às casas de fado.

Praticamente todas as suas edições discográficas esgotaram e só no Museu do Fado e na Discoteca Amália é possível adquirir um CD seu com seis dos seus maiores êxitos: Fado Antigo, Fado Faia, Chinela, Meu Lar, Cinta Vermelha e Cruz de Guerra.

Existe ainda, no circuito comercial, um outro CD, editado pela Movieplay Portuguesa, o nº 20 da colecção Fados do Fado, com 4 fados de Berta Cardoso: Cruz de Guerra, Meu amor fugiu do ninho, Noite de São João e Testamento.

Morreu em Lisboa no dia 12 de julho de 1997.

berta_cardoso