Aquilo que o tempo não apaga

Todos nós sentimos a passagem do tempo sem necessidade de olhar para o movimento dos ponteiros do relógio ou para a sucessão dos dias e das noites.

Todos nós sentimos a passagem do tempo sem precisar de arrancar as folhas do calendário ou olhar para a janela e ver a passagem das estações do ano.

Todos nós sentimos a passagem do tempo quando vemos o nosso corpo a mudar, quando o cabelo começa a cair ou a ficar branco, quando a memória nos atraiçoa mais vezes do que é habitual ou quando já não somos capazes de fazer tudo aquilo que na juventude se fazia de forma muito fácil.

No entanto, a passagem inevitável e inexorável do tempo não consegue apagar muitas coisas, não consegue apagar o amor de mãe, não consegue apagar o amor de filho, não consegue apagar convicções enraízadas.

Mas há ainda outra coisa que o tempo não apaga: a amizade.

Passaram quase 30 anos desde o momento em que conheci um grupo de jovens da minha idade com quem partilhei a minha formação universitária e vivi alguns dos melhores anos da minha vida.

Depois de termos terminado a nossa formação ainda nos vimos durante algum tempo, mas as vidas que fomos seguindo acabaram por nos afastar fisicamente uns dos outros.

Contudo, esta distância física nunca conseguiu apagar as lembranças que temos uns dos outros, os bons momentos que vivemos juntos, as dificuldades e vitórias nos estudos enfrentadas em conjunto.

E se alguém tinha dúvidas sobre a incapacidade do tempo apagar sentimentos construídos no início da nossa vida adulta, quando muitos de nós viveram pela primeira vez fora de casa, elas foram completamente desfeitas com o entusiasmo que estamos a viver o nosso reencontro depois de um número considerável de anos sem nos vermos.

Aquilo que o tempo não apaga, que a distância não consegue fazer desvanecer, é a amizade de um grupo de jovens que fizeram uma caminhada incrível, que em Portugal e no estrangeiro espalham tudo aquilo que aprenderam com um conjunto de professores excecionais numa faculdade maravilhosa.

Obrigado a todos e até breve!

Anúncios

22 de março de 1911

22 de março de 1911

Neste dia foi fundada a Universidade do Porto, com base em duas instituições de ensino superior criadas no século XIX: a Academia Politécnica e a Escola Médico-Cirúrgica.

InsigniaUP.png

Contudo, não deixam de ser fundamentais para a criação desta universidade a Aula de Náutica criada por D. José I em 1762 e a Aula de Debuxo e Desenho estabelecida pela rainha D. Maria I em 1779.

Personalidade nascida neste dia

No dia 22 de março de 1776 nasceu Miguel José de Arriaga Brum da Silveira.

Era formado em Leis pela Universidade de Coimbra e cedo foram reconhecidas as suas qualidades. Com efeito, tendo apenas 26 anos era nomeado Ouvidor das Justiças em Macau, ou seja, era a autoridade da Coroa Portuguesa neste território.

Integrou-se na perfeição na sociedade macaense, tendo inclusivamente aprendido a língua chinesa. Desempenhou um papel diplomático relevante no contexto das Guerras Napoleónicas ao impedir que os ingleses ocupassem Macau.

Ficou também registado o seu muito relevante papel na criação de uma esquadra que combateu com sucesso as atividades dos piratas chineses comandados pelo designado Tigre dos Mares.

O príncipe-regente D. João concedeu-lhe a alcaidaria-mor da ilha do Faial por ter conseguido que o imperador chinês restítuisse os privilégios comerciais aos portugueses, tendo sido feito cavaleiro da Ordem da Torre e Espada, cavaleiro da Ordem de Cristo e comendador da Ordem da Conceição, fidalgo cavaleiro da Casa Real e membro do Conselho de Sua Majestade Fidelíssima.

Morreu em Macau no dia 13 de dezembro de 1824.

Miguel_José_de_Arriaga_Brum_da_Silveira

 

 

1 de março de 1290

1 de março de 1290

Foi neste dia que o rei D. Dinis assinou o documento Scientiae thesaurus mirabilis em Leiria, que cria a Universidade de Coimbra, fazendo com que seja uma das universidades mais antigas do mundo em operação.

1353409295_visit-torre-big

Personalidade nascida neste dia

No dia 1 de março de 1647 nasceu João Heitor de Brito, missionário jesuíta muitas vezes chamado de O Francisco Xavier Português.

Depois de fazer os seus estudos partiu para a Índia onde chega em 1673. Neste país desenvolveu um trabalho missionário notável, convertendo milhares de pessoas ao cristianismo.

Foi perseguido pelo rei de Maravá, mesmo depois de ter curado o príncipe. Aliás, o príncipe ao converter-se ao cristianismo acicatou a ira do rei que o mandou decapitar e desmembrar.

Morreu no dia 4 de fevereiro de 1693.

Foi canonizado pelo Papa Pio XII no dia 22 de junho de 1947.

O Papa João Paulo II na homilia proferida no Parque Eduardo VII no dia 14 de maio de 1982 disse:

Como não lembrar o exemplo de S. João de Brito, jovem lisboeta que, deixando a vida fácil da corte, partiu para a Índia, a anunciar o Evangelho da salvação aos mais pobres e desprotegidos, identificando-se com eles e selando a sua fidelidade a Cristo e aos irmãos com o testemunho do martírio?

200px-Jean_de_Brito_(1647-1693)_2

 

 

 

10 de fevereiro de 1994

10 de fevereiro de 1994

Neste dia os ministros dos Negócios Estrangeiros de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe reunidos em Brasília decidiram recomendar aos respetivos governos a realização de uma cimeira de Chefes de Estado e de Governo com o intuito de se adotar o ato constitutivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A CPLP é a organização multilateral privilegiada para o aprofundamento da amizade mútua e da cooperação entre os seus membros.

cplp

Personalidade nascida neste dia

No dia 10 de fevereiro de 1810 nasceu Adrião Pereira Forjaz de Sampaio, filho mais velho de José Maria Pereira Forjaz de Sampaio e de Maria do Carmo Freire Pimentel de Mesquita e Vasconcelos.

Nascido em Coimbra, foi Fidalgo Cavaleiro da Casa Real e Sócio da Academia Real das Ciências.

Teve uma carreira universitária ligada ao direito, tendo sido Lente Catedrático e Diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Morreu na Figueira da Foz no dia 11 de setembro de 1874.

adriao_sampaio

 

24 de janeiro de 1791

24 de janeiro de 1791

Nesta data foi criada na Universidade de Coimbra a cadeira de Botânica e Agricultura.

O primeiro titular desta cadeira foi Felix de Avelar Brotero e responsável também pela direção do Jardim Botânico da mesma universidade.

Personalidade nascida neste dia

O cavaleiro português, Luís Falcão de Mena e Silva, nasceu em Abrantes no dia 24 de janeiro de 1902.

Nos Jogos Olímpicos de Berlim de 1936 ganhou a medalha de bronze na prova de saltos por equipas com o cavalo Fossette.

Nos Jogos Olímpicos de Londres em 1948 voltou a ganhar uma medalha de bronze na prova de dressage por equipas.

Foi militar de carreira até ao posto de Coronel.

Morreu em Lisboa no dia 3 de agosto de 1963.

mena_e_silva

 

10 de janeiro de 1907

10 de janeiro de 1907

A Torre de Belém foi classificada como Monumento Nacional por decreto do dia 10 de janeiro de 1907.

i.torre-de-belm-20130429

Foi criada pensando no plano defensivo da barra do rio Tejo projetado no tempo de D. João II. Contudo, só viria a ser iniciada a sua construção em 1514, sob as ordens do arquiteto Francisco de Arruda.

Foi concluída em 1520 e, com a evolução dos meios de ataque e defesa, foi perdendo gradualmente a sua função original.

As suas diversas utilizações incluíram os registos aduaneiros, posto de sinalização telegráfico e farol. Nos reinados de Filipe II de Espanha (Filipe I de Portugal) e de D. João IV os seus paióis serviram de masmorras para presos políticos.

É uma torre quadrangular, de estilo manuelino, com cinco pavimentos:

  • Primeiro andar – Sala do Governador.
  • Segundo andar – Sala dos Reis, com teto elíptico e fogão ornamentado com meias-esferas.
  • Terceiro andar – Sala de Audiências
  • Quarto andar – Capela
  • Quinto andar – Terraço da torre

É Património Mundial da UNESCO desde 1983.

Personalidade nascida neste dia

O jurisconsulto e professor de Direito da Universidade de Coimbra, Domingos Fezas Vital, nasceu em Caminha no dia 10 de janeiro de 1888.

Foi reitor desta universidade entre 1927 e 1930 e a partir de 1935 professor da Universidade de Lisboa.

Era um forte apoiante da Causa Monárquica, tendo sido seu dirigente e lugar-tenente de D. Duarte Nuno de Bragança.

Além da sua carreira universitária foi membro do Conselho de Administração dos Caminhos de Ferro Portugueses, juiz do Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia e vogal da Comissão Permanente do Direito Marítimo Internacional.

Foi agraciado com as Grãs-Cruzes da Ordem da Instrução Pública em 22 de setembro de 1930 e da Ordem Militar de Cristo em 28 de maio de 1937. Foi ainda condecorado com os oficialatos da Ordem Nacional da Legião de Honra e da Cruz Vermelha Alemã.

Morreu na sua casa em Lisboa no dia 22 de janeiro de 1953.

domingos_vital