9 de julho de 1708

9 de julho de 1708

Neste dia o rei D. João V de Portugal casou com a arquiduquesa Maria Ana de Áustria, filha do imperador Leopoldo I e irmã do arquiduque Carlos.

Este casamento foi um dos resultados da aliança de Portugal com a Áustria na Guerra da Sucessão Espanhola.

O casamento deu-se na Catedral de Santo Estevão em Viena com o imperador a representar o rei de Portugal e com o conde de Vilar Maior como embaixador.

A nova rainha consorte veio para Lisboa a bordo da armada de catorze naus do embaixador português.

Apesar das constantes infidelidades de D. João V, este casamento gerou seis filhos, entre os quais se destacam a rainha consorte de Espanha, D. Bárbara, e os reis de Portugal D. José e D. Pedro III, marido da rainha D. Maria I.

Personalidade nascida neste dia

No dia 9 de julho de 1860 nasceu António Leão Tavares Festas em Gândara de Mortágua.

Foi um político liberal progressista português muito influente com formação nas ciências jurídicas.

Destacou-se também como um dos impulsionadores da Região Demarcada do Dão e como um defensor dos direitos da mulher.

Era um monárquico convicto, ideal que não abandonou até à sua morte no dia 5 de maio de 1920.

António_Leão_Tavares_Festas_wiki

Anúncios

5 de julho de 1833

5 de julho de 1833

Neste dia aconteceu a batalha naval do Cabo de São Vicente entre a armada miguelista comandada pelo almirante António Torres de Aboim e o esquadrão naval comandado pelo oficial britânico Charles John Napier ao serviço dos liberais.

Este confronto resultou numa vitória das forças liberais, que ficaram com o domínio pleno do mar.

BatalhaCaboS.Vicente

Personalidade nascida neste dia

No dia 5 de julho de 1717 nasceu aquele que viria a ser rei-consorte de Portugal, de seu nome Pedro Clemente Francisco José António (D. Pedro III de Portugal), por casamento com a sua sobrinha, a rainha D. Maria I.

Era o segundo filho mais novo do rei D. João V e da arquiduquesa Maria Ana da Áustria.

Teve como cognomes “o Capacidónio”, “o Sacristão” e “o Edificador”.

É considerado pelos historiadores um rei politicamente neutro, tendo deixado sempre os afazeres da nação para D. Maria I, merecendo inclusivamente da parte de Oliveira Martins a seguinte descrição:

“… O rei (…) não se concebe homem mais feio, com cara de idiota, expressão feroz, cabeleira desalinhada, ar de bêbado, um sacristão.”

Morreu no dia 25 de maio de 1786 no Paço da Nossa Senhora da Ajuda e jaz sepultado no Panteão dos Braganças.

Anônimo_-_Retrato_do_rei_Dom_Pedro_III_de_Portugal_-_século_XVIII.jpg

A república vai nua

Afinal não é o rei que vai nu, é a república…

Se fizéssemos um inquérito aos Portugueses, ou a qualquer outro povo pertencente a um país democrático, sobre a principal qualidade que deve ter o mais alto magistrado da nação, estou convicto que a resposta com maior número de apoiantes seria imparcialidadeneutralidade ou qualquer outro sinónimo destas palavras.

No entanto, uma das críticas que se aponta ao sistema republicano é precisamente a sua incapacidade de garantir de forma consistente esta qualidade que um chefe de estado deve possuir, abundando os exemplos que suportam este argumento.

Com efeito, hoje faz um ano que o Professor Marcelo Rebelo de Sousa mereceu a confiança de uma parte significativa dos portugueses que votaram nas últimas eleições presidenciais e a noite informativa esteve recheada de comentários sobre o seu desempenho.

Como seria de esperar, uns gostam mais, outros não gostam tanto e ainda há aqueles que não sabem bem, mas um denominador comum em todas as opiniões era  o facto do atual presidente da república ter um comportamento que beneficiava ou prejudicava alguns grupos políticos. E, não satisfeitos com isto, muitos ainda achavam que determinados grupos políticos deveriam estar muito aborrecidos com ele porque votaram para a sua eleição e não estão a receber o favor de volta, enquanto outros, que não votaram nele, estão a ser levados ao “colo”.

Ora, são precisamente estes os comportamentos que se querem evitar com um chefe de estado hereditário, em detrimento de um eleito, uma vez que não há favores a pagar, nem obrigações de compensar uns em desfavor de outros.

E, por mais que o Professor Marcelo Rebelo de Sousa procure ser independente, a sua atuação será sempre criticada porque à sua eleição está colada uma luta política, uma defesa de ideais, dos quais ele se procurou afastar, mas que estão e estarão sempre colados à sua pele.

Outro exemplo das fragilidades do sistema republicano são as inúmeras notícias associadas à recente eleição do presidente dos Estados Unidos da América. Não pude deixar de notar numa das notícias de hoje o comentário de um cidadão americano, que dizia de forma muito convicta, He is not my president!

O que sentirá Donald J. Trump, que acabou de dizer que vai devolver o poder político de Washington ao povo americano, sabendo que uma parte significativa dos cidadãos americanos não estão com ele e com as suas opções?

Estes são dois exemplos, muito recentes e atuais, da imensa fragilidade que o sistema republicano tem para conseguir a unanimidade dos cidadãos relativamente ao chefe de estado, ou como dizia o Dr. Mário Saraiva, a incapacidade do sistema republicano em atingir a harmonia do conjunto nacional.

Não existem sistemas perfeitos, mas existem opções que criam, de forma mais consistente e sólida, ambientes propícios para a tão almejada unidade nacional. Estou certo que Portugal e os Portugueses ganhariam muito se voltássemos a ter um Rei ao leme da nação.

26 de junho de 1282

26 de junho de 1282

Neste dia celebrou-se em Trancoso o casamento do rei D. Dinis com Isabel de Aragão, depois de ter sido formalizado por procuração em Barcelona no dia 11 de fevereiro do mesmo ano.

Refira-se que este casal real foi muito importante para a nação lusitana, quer pelo reinado de D. Dinis muito marcado pela cultura, que pelo facto da sua rainha-consorte ser  muito dedicada aos mais desfavorecidos.

Aliás, foi mais tarde beatificada e canonizada tendo ficado célebre o milagre das rosas.

Personalidade nascida neste dia

Nasceu na capital portuguesa no dia 26 de junho de 1938 o ator, argumentista televisivo, dramaturgo e encenador português, Francisco António de Vasconcelos Nicholson.

Participou em inúmeras peças de teatro, programas de televisão e até cinema, não limitando o seu trabalho às suas enormes qualidades como ator.

Morreu no dia 12 de abril de 2016 com 77 anos de idade.

francisco_nicholson

9 de junho de 1448

9 de junho de 1448

Neste dia D. Afonso V assumiu o trono a que tinha ascendido com seis anos de idade.

Com efeito, até atingir a maioridade a sua mãe assumiu inicialmente a regência que depois foi para o seu tio D. Pedro, Duque de Coimbra.

Ao assumir o trono anulou todos os editais aprovados pela regência e, com a ajuda do seu tio D. Afonso I, Duque de Bragança, declarou D. Pedro inimigo do reino e derrotou-o na batalha de Alfarrobeira.

Personalidade nascida neste dia

No dia 9 de junho de 1900 nasceu na cidade invicta o escritor e poeta português, José Gomes Ferreira.

Ainda muito jovem colaborou com Fernando Pessoa na elaboração de um soneto para a revista Ressurreição.

Politicamente sempre se revelou uma homem de esquerda, tendo inclusivamente sido candidato às eleições legislativas de 1979 pela Aliança do Povo Unido (APU). Mais tarde aderiu ao Partido Comunista Português (PCP).

Deixou uma obra vastíssima, publicada entre 1918 e 1990, sendo considerada a sua maior obra a crónica de 1977 Intervenção Sonâmbula.

No conjunto de prémios e homenagens que recebeu destacam-se a atribuição do grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada a 9 de abril de 1981 e do grau de Grande-Oficial da Ordem da Liberdade a 1 de outubro de 1985.

Morreu em Lisboa no dia 8 de fevereiro de 1985.

jose-gomes-ferreira

 

6 de junho de 1999

6 de junho de 1999

Neste dia foi inaugurado o Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves na cidade do Porto.

O edifício, projetado por Siza Vieira, está localizado no Parque de Serralves e é um espaço de referência internacional no âmbito da arte contemporânea.

A sua coleção permanente tem obras de artistas desde os finais da década de 60 do século XX até aos dias de hoje.

museu_serralves.jpg

Personalidade nascida neste dia

No dia 6 de junho de 1502 nasceu o rei de Portugal, D. João III, que teve os cognomes de O Piedoso ou O Colonizador.

O seu reinado durou quase 36 anos entre 13 de dezembro de 1521 e 11 de junho de 1557, dia da sua morte.

Herdou de seu pai, o rei D. Manuel I, um vasto império, tendo dado continuidade à política centralizadora do seu antecessor.

O seu reinado também ficou marcado pela negociação das ilhas Molucas com Espanha, pela aquisição das colónias de Diu, Bombaim ou Macau e pela chegada pioneira de um grupo de portugueses ao Japão em 1543. Ficou assim a presença portuguesa estendida entre Lisboa e Nagasaki.

Foi também durante o seu reinado que se iniciou a colonização efetiva do Brasil e se deu a introdução da Inquisição em Portugal em 1536.

Os seus dez filhos pereceram, pelo que após a sua morte subiu ao trono D. Sebastião, seu neto.

D._João_III_-_Cristóvão_Lopes_(attrib).png

6 de maio de 1908

6 de maio de 1908

A Assembleia de Cortes realizada neste dia aclamou D. Manuel II como rei de Portugal, tendo o monarca jurado cumprir a Carta Constitucional.

Este juramento foi mantido mesmo no exílio, atitude reveladora do caráter excecional de D. Manuel II.

180px-Manuel_II_of_Portugal

Durante o seu reinado seguiu sempre a máxima que o rei reina, não governa. Com efeito, entendia que a intervenção direta de seu pai nos assuntos da governação tinha sido a causa do desfecho trágico que teve no dia 1 de fevereiro de 1908.

No entanto, debruçou-se diretamente sobre a Questão Social, ou seja, com as consequências da Revolução Industrial no crescente proletariado urbano criado ao longo do século XIX.

Personalidade nascida neste dia

No dia 6 de maio de 1738 nasceu Pascoal José de Melo Freire dos Reis, notável jurisconsulto, professor, magistrado, estadista e estudioso da História do Direito Português.

Foi aluno e lente da Universidade de Coimbra e sócio da Academia de Ciências de Lisboa, tendo sido nomeado por D. João, príncipe regente, Desembargador de Agravos da Casa de Suplicação, um dos mais altos cargos na magistratura da época.

Escreveu obras muito importantes de direito como Instituições do Direito Civil português, Instituições do Direito Criminal e História do Direito Civil Português.

Foi ainda autor de um projeto de código penal encomendado pela rainha D. Maria I.

Morreu em Lisboa no dia 24 de setembro de 1798.

Pascoal_José_de_Melo_Freire.png

 

3 de maio de 1911

3 de maio de 1911

Um decreto deste dia criou oficialmente a Guarda Nacional Republicana (GNR), força de segurança responsável por velar pela segurança pública e policiar as povoações, estradas, pontes, vias férreas e linhas telefónicas e telegráficas.

A GNR substituiu a Guarda Republicana, que por sua vez resultou da transformação da Guarda Municipal de Lisboa e do Porto. É de realçar que a Guarda Municipal foi a última força monárquica a render-se aos republicanos.

Personalidade nascida neste dia

No dia 3 de maio de 1455 nasceu D. João II, o rei de Portugal que recebeu o cognome de O Príncipe Perfeito.

Era o filho de D. Afonso V, tendo inclusivamente acompanhado o seu pai nas campanhas em África. Mais tarde, enquanto o seu pai combatia os castelhanos, D. João II assumiu a direção da expansão marítima iniciada pelo seu tio-avô, o infante D. Henrique.

Enquanto monarca, foi um grande defensor da política de exploração atlântica, priorizando a descoberta do caminho marítimo para a Índia.

O seu reinado foi caraterizado por ter retirado o poder à aristocracia portuguesa, o que lhe granjeou alguns inimigos, designadamente da Casa de Bragança. Refira-se ainda que eliminou pessoalmente alguns dos seus detratores, entre os quais D. Fernando II, duque de Bragança, e o seu primo e cunhado D. Diogo, duque de Viseu.

Negociou o Tratado de Tordesilhas em 1494 com os reis católicos de Espanha, um ano antes de morrer (25 de outubro de 1495).

Joao_II

 

 

 

26 de abril de 1500

26 de abril de 1500

Neste dia o Frei Henrique de Coimbra, pertencente à Ordem dos Frades Menores, celebrou a primeira missa no Brasil.

De facto, este missionário célebre na Índia e em África, viajou na frota de Pedro Álvares Cabral, dirigindo um grupo de religiosos destinados às missões no Oriente.

200px-Meirelles-primeiramissa2

Personalidade nascida neste dia

No dia 26 de abril de 1648 nasceu D. Pedro II, rei de Portugal desde 1683 até 9 de dezembro de 1706, data da sua morte.

No entanto, já exercia as funções de regente desde 1668 por força da instabilidade mental do seu irmão, D. Afonso VI.

O historiador Veríssimo Serrão refere na sua História de Portugal que “Um historiador coevo exaltou as suas qualidades físicas, tanto na destreza das armas como no toureio a cavalo, por ter uma agilidade e fortaleza que o predispunham para exercícios de violência.”

O seu reinado ficou marcado pela confirmação da aliança luso-inglesa, pela consolidação da independência de Portugal depois da Guerra da Restauração com a assinatura do Tratado de Lisboa em 1668 e pela assinatura do Tratado de Methuen em 1703, que levou à estagnação da indústria textil no reino lusitano.

Morreu com 58 anos de apoplexia e jaz sepultado no Panteão dos Braganças em São Vicente de Fora.

D._Pedro_II,_Rei_de_Portugal

 

23 de abril de 1982

23 de abril de 1982

Este dia ficou marcado pela apresentação de exigências por parte de Portugal à NATO para aceitar a adesão de Espanha a esta organização internacional.

Entre as exigências portuguesas constava a recusa na existência de um comando unificado das Forças Armadas dos dois países ibéricos.

Personalidade nascida neste dia

No dia 23 de abril de 1185 nasceu em Coimbra o terceiro rei de Portugal, D. Afonso II.

Teve como cognomes o Gordo, o Crasso ou o Gafo, por força da doença que o terá afetado.

O seu reinado ficou caraterizado pela criação das primeiras leis escritas e pelas primeiras cortes com representantes do clero e da nobreza. O estilo de governação deste rei caraterizou-se também pela ausência de tendências belicistas, apesar do exército português ter desempenhado um papel significativo na batalha de Navas de Tolosa ao lado dos castelhanos, aragoneses e franceses contra os muçulmanos.

Outro aspeto relevante do seu reinado foi o conflito com o papa, que lhe valeu a excomunhão, retirada apenas quando D. Sancho II, o seu sucessor, conseguiu resolver o diferendo com a Igreja.

O rei D. Afonso II morreu em Santarém no dia 25 de março de 1223 e jaz sepultado no Mosteiro de Alcobaça.

Afonso_II_Portugal